Papa Francisco: diáconos que colaboram em diaconias, em favor dos últimos, para mostrar a identidade diaconal da Igreja.

Diác. Gonzalo Eguía
Coordenador de Servir nas periferias
Bilbau, Espanha, 1 de outubro de 2021

Papa Francisco: diáconos que colaboram em diaconias, em favor dos últimos, para mostrar a identidade da Igreja.

No Informativo de julho passado transcrevemos o discurso do Papa Francisco aos diáconos permanentes da diocese de Roma (20 de junho), três meses depois relemos o discurso. Somos conscientes que algumas orientações são dirigidas aos diáconos daquela igreja particular e outras a todos os diáconos da Igreja Universal.

O Papa assinala em seu discurso o sentido do diaconado na igreja de Roma, assim como as dimensões que um diácono deve cultivar.

Em relação com o sentido do diaconado e as situações que um diácono deve ter em conta o Papa propõe três : a superação do clericalismo, a “ lógica do abaixamento” e a promoção de diaconias em favor dos últimos.

O Papa, como tem feito repetidamente, recupera o espírito da restauração do ministério diaconal do Concílio Vaticano II, convidando a superar o clericalismo: “ O diaconado, que em sua conceção anterior foi reduzido a uma ordem de passagem para o sacerdócio, recupera assim o seu lugar e sua especificidade. O simples feito de destacar esta diferença ajuda a superar o flagelo do clericalismo, que coloca a uma casta de sacerdotes “acima” do Povo de Deus. Este é o núcleo do clericalismo : uma casta sacerdotal “por cima” do Povo de Deus. Se isto não for resolvido, continuará o clericalismo na Igreja. Os diáconos, precisamente por estarem dedicados ao serviço deste Povo, recordam-nos que no corpo eclesial ninguém pode elevar-se por cima dos demais”.

Para fazer frente a esta tentação propõe a “lógica do abaixamento” e do serviço, porque para os “ discípulos de Jesus amar é servir e servir é reinar. O poder reside no serviço, não em mais nada”.
Voltando a notar que os diáconos são “ os guardiões do serviço na Igreja, portanto pode-se dizer que eles são os guardiões do poder ´verdadeiro` na Igreja, de modo que ninguém vá além do poder do serviço”, neste sentido o Papa recorda que a Igreja além de “missionária” e “sinodal”, é “constitutivamente diaconal”.

Finalmente, o Papa está satisfeito que a diocese de Roma “retomou o antigo costume de confiar uma igreja a um diácono para que se converta numa diaconia” e a decisão de dar vida às diaconias…em favor de toda a comunidade cristã, em particular dos “ mais pequenos” e os últimos.

Em relação às dimensões que um diácono deve cultivar, destaca três : a humildade,” que todo o bem que façais seja um segredo entre vós e Deus” ; coerência familiar “ sejam bons maridos e bons pais. E bons avós” ; e o trabalho de serem sentinelas que ajudam na comunidade a ver os que estão distanciados e os pobres, uma dimensão “ catequética, profética, do sentinela-profeta-catequista que sabe ver além e ver os pobres que estão longe”.

Cada igreja local deve reconhecer e contrastar-se nestas pistas que nos oferece o Papa, para tornar eficaz a dimensão diaconal da Igreja e desenvolver um ministério diaconal que a promova.

Por ocasião da Jornada de oração em defesa da criação, o Informativo fornece a Mensagem conjunta para a proteção da Criação, do Papa Francisco, do Patriarca Ecuménico Bartolomeu I e do Arcebispo de Canterbury Justin Welby.
Do Brasil tivemos conhecimento sobre a notícia da celebração do quadragésimo aniversário da ordenação do diácono José Duran, colaborador deste Informativo e anteriormente do Informativo CIDAL, desejamos enviar-lhe tanto a ele como há sua esposa Socorro nossa mais próxima e fraterna felicitação.

O curso de teologia diaconal ,ministrado online, pelo diácono Luciano Rocha Pinto, foi retomado, com o segundo módulo “ A diaconia de Jesus Cristo e o Ministério Diaconal”. Apresentamos também o vídeo da primeira comunicação.

Destacam-se vários testemunhos de diáconos e candidatos ao diaconado, assinalamos o do diácono Paulo Taitson sobre a pastoral hospitalar.

Foram publicados três livros que direta ou indiretamente têm a ver com o ministério diaconal : “ Diaconado permanente. Normas e Diretório”, “ O diaconado. Novas perspetivas” – contribui-se com a entrevista realizada há algum tempo ao seu autor Dario Vitalia – e por último, o diácono Fernando José Bodan publicou um livro sobre o “Lecionário Místico Ferial”.

Recolhemos a homilia do cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel José Macário de Nascimento Clemente, na ordenação de vários diáconos.

Nosso colaborador, o diácono português Joaquim Armindo oferece duas reflexões de atualidade, uma sobre a contribuição dos diáconos no próximo Sínodo e outra sobre a defesa da criação.

A Conferência de Estudos organizada pelo Cento Internacional do Diaconado em modo online a partir de Barcelona, Espanha, teve lugar entre os dias 15 a 18 de setembro, sob o título de “ O rosto em mudança do diaconado num mundo em alteração”, e com o sub-título “ Como respondem os diáconos às crises ecológica, económica, cultural, social e sanitária no mundo de hoje? Também foi realizada a Assembleia Geral dos membros do CID, destacando a eleição como delegados de três latino-americanos: o P. José Gabriel Mesa, de Colômbia, reitor da Universidade S. Tomás, de Bogotá; o diácono de Chile Miguel Ángel Herrera Parra e o diácono de Brasil Alberto Magno Carvalho de Melo. A Conferência e Assembleia foi realizada graças, entre outros, ao trabalho organizacional pela membro de nossa Equipa de Redação, Montserrat Martinez.

Neste mês de outubro começa com a festa de Santa Teresa do Menino Jesus, trazemos à tona as palavras do Papa Francisco no discurso aos diáconos de Roma, comentado anteriormente, onde ele unia o destino do ministério diaconal ao contributo desta Santa : Os diáconos recordam à Igreja que o que Santa Teresa descobriu é verdade: a Igreja tem um coração queimado pelo amor. Sim, um coração humilde que palpita com o serviço. Os diáconos lembram-nos disso quando, como o Diácono São Francisco, trazem a proximidade de Deus sem se imporem, servindo com humildade e alegria. A generosidade de um diácono que se entrega sem procurar as primeiras fileiras cheira ao Evangelho, fala-nos da grandeza da humildade de Deus que dá o primeiro passo – sempre, Deus dá o primeiro passo – para sair para conhecer até mesmo aqueles que lhe viraram as costas”.

Em nome da Equipa Coordenadora e de Redação, um abraço fraterno.

Gonzalo Eguía

 

Tradução do original: Diacono Mario Henrique Pinto

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.