Contribuições em chave diaconal ao Sínodo: a vivência da dupla sacramentalidade

Contribuições em chave diaconal ao Sínodo: a vivência da dupla sacramentalidade

Diác. Gonzalo Eguía
Coordenador de Servir nas periferias
Bilbau, Espanha, 1 de fevereiro de 2022

Continuamos a trabalhar na fase diocesana do Sínodo. Nas dioceses repetem-se ações que pretendem recolher, à luz do Espírito Santo, as opiniões da comunidade eclesial segundo as perguntas formuladas no Documento de Trabalho.

Muitos diáconos perguntam-nos quais serão as contribuições genuinamente diaconais para este Sínodo. A partir da vivência quotidiana do nosso ministério, a vivência da dupla sacramentalidade experimenta-se como uma riqueza espiritual e pastoral que é específica do diácono permanente e sua família.

Numas recentes declarações do cardeal Hollerich a La Croiex, o purpurado afirmava: “Tenho diáconos nas minhas dioceses que exercem seu diaconado de maneira maravilhosa, dão homilias que tocam as pessoas muito mais fortemente que nós que somos celibatários. Porque não ter também sacerdotes casados?”.

O cardeal realçava a experiência do ministério dos diáconos casados em sua diocese de Luxemburgo, uma diocese com aproximadamente 600.000 habitantes, 175 presbíteros e 15 diáconos permanentes.

Não pretendo nesta ocasião tocar a interessante questão do celibato presbiteral a que se refere o cardeal nas suas declarações, mas sim a experiência que ele destaca ao reconhecer a contribuição dos diáconos casados na vida daquela Igreja local.

No Documento Conclusivo da Assembleia de Aparecida (2007), quando se recorda o ministério dos diáconos permanentes como “ discípulos missionários de Jesus Servidor”, afirma: “Alguns discípulos e missionários do Senhor são chamados a servir à Igreja como diáconos permanentes, fortalecidos, na sua maioria, pela dupla sacramentalidade do Matrimónio e da Ordem” (205)

Neste clima sinodal, os diáconos não podem perder a oportunidade de comunicar o que a vivência da dupla sacramentalidade significa para nossa vida como cristãos, esposos, pais e avós. Só nós, nossas esposas e nossas famílias, podemos partilhar o testemunho do que significa anunciar alegremente o dom do Sacramento do Matrimónio e o da Ordem, no grau do diaconado, de comunicar a experiência numa Igreja-Comunhão, toda ela ministerial, de ser ministros ordenados para nossas comunidades, a partir de um projeto anterior apoiado no sacramento do Matrimónio. Esta é uma contribuição única e intransferível, ninguém pode comentar por nós aquilo que vivemos, experimentamos e oramos cada dia.

É um bom momento, talvez o momento, para que a rica experiência do diaconado permanente das últimas cinco décadas chegue à Comissão Sinodal, para que a experiência do ministério dos diáconos contada na primeira pessoa, que começa na vida familiar e se desenvolve na realização da confiança pastoral recebida, comunique suas experiências em relação à comunhão, com participação e missão na Igreja.

De acordo com a situação causada pelo Covid 19, no Brasil foi decidido suspender o Encontro de diretores e formadores de Escolas Diaconais. Diante desta situação, o presidente da CND escreve a todos os diáconos, depois do contacto mantido com alguns deles doentes, convidando a reforçar a fraternidade diaconal através do cuidado mútuo. É precisamente este país que relata um maior número de ordenações, que em três dioceses em particular é significativo quanto ao número: Belém com 35 ordenações; Contagem com 16 e Campanha com 15, neste último caso é a primeira promoção da Escola diaconal.

Da Colômbia tivemos conhecimento da implementação de um recurso simples e útil na Escola diaconal da diocese de Engativá: a oferta de uma Biblioteca Digital para seus estudantes candidatos ao diaconado.

Na diocese venezuelana de San Fernando de Apure abre-se o período de inscrição de uma nova convocatória de aspirantes ao diaconado, detalhando-se todo o período formativo.

Em Portugal, no Porto, continuam por meios telemáticos as secções formativas do ciclo “Levanta-te: Juntos por um caminho novo”, organizado pelo Centro de Cultura Católica e o Diaconado Permanente daquela diocese.

Na área de “ Conhecendo uma Escola diaconal”, apresenta-se a Oficina de Formação para Diáconos Permanentes da diocese de Fort Worth nos EUA.

No apartado de Testemunhos destacam os dos diáconos Dean Vernon, Fernando Lozano e Fidel Cruz Márquez.

Foram publicados dois livros relacionados com o ministério diaconal escrito por diáconos permanentes: “Diácono Sempre”, de Pepe Duran e Duran; e “ O diaconado permanente e seus contributos numa Igreja em saída” de Eduardo Ludwig Sanz-Orrio.

O Informativo inclui dois artigos de interesse: o de Montserrat Martinez “O diácono no exercício da caridade” e um texto publicado no ano 2005 do pastor Emilio Bandt Favela “Breve Estudo sobre o diaconado nas Igrejas Batistas”. Duas notícias tocam a questão do diaconado feminino, e o celibato presbiteral respetivamente o primeiro da teóloga espanhola Cristina Inogés, que participou na abertura do Sínodo e o segundo do cardeal Hollerich, que fizemos referência em cima.

Ainda sendo uma notícia que não pertence à Ibero-América, o Informativo divulga o site da Conferência Episcopal Francesa, dedicada ao diaconado permanente, “Diaconat permanent”, por seus interessantes recursos formativos.

Este mês de fevereiro começa com a linda festividade da Apresentação do Senhor no templo, parece incrível, que rápido passa o tempo, faz já quarenta dias desde a celebração do Natal. Nesta celebração recebemos, como que um desejo, não perder tempo a ser reflexo de sua Luz no meio deste mundo às vezes sombrio, mas para tornar o Salmo 35 uma realidade: “ Tua Luz, Senhor nos faça ver a luz”.

Em nome da Equipa de Coordenação e Redação, um abraço fraterno.

Gonzalo Eguía

 

Tradução do original: Diacono Mario Henrique Pinto

 

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.