Sinodalidade e conversão pastoral em conferência no CCC e Diaconado Permanente – Diocese do Porto

Sinodalidade e conversão pastoral em conferência no CCC e Diaconado Permanente – Diocese do Porto

 

 

Prosseguiu por meio telemáticos, na noite de 9 de novembro, com a 2ª sessão, o ciclo «Levanta-te: Juntos por um caminho novo», organizado pelo Centro de Cultura Católica e pelo Diaconado Permanente da Diocese do Porto, em torno de grande parte das temáticas do Plano Diocesano de Pastoral 2021/2022. Esta sessão, muito participada, como testemunham os 143 dispositivos informáticos ligados, foi dedicada à conferência «A sinodalidade como estilo para uma permanente conversão pastoral», proferida pelo P. Sérgio Leal, membro da equipa formadora do Seminário Maior do Porto e pároco da Sé, que trabalhou cientificamente o tema da sinodalidade no âmbito da sua licenciatura canónica em Teologia pastoral e continua a tê-lo como objeto de investigação no contexto do seu doutoramento ainda em curso. O tema da conferência revestiu-se de particular pertinência, atendendo ao Sínodo convocado pelo Papa Francisco, cuja fase diocesana está abriu recentemente.

O P. Sérgio Leal começou por evocar o documento da Comissão Teológica Internacional alusivo à sinodalidade e por se deter sobre o conceito, que remete para o fazer caminho conjunto na variedade de caminhos, dons e serviços. A propósito do “kairos” da sonodalidade, o tempo oportuno, advertiu para o perigo de fazer da sinodalidade apenas uma palavra da moda, enquanto indicou a necessidade de pensar o aqui e agora da Igreja, a partir da realidade sociocultural e eclesial, na fidelidade ao evangelho. Não se alongando no horizonte sociocultural, reportou ainda assim o fim de um ambiente eclesial homogéneo e o facto de a fé aparecer como uma entre outras tantas propostas, enunciando, de seguida, a sinodalidade como caminho para tornar operativa a eclesiologia conciliar de comunhão, bem como a urgência do caminho sinodal no pensamento do Papa Francisco. Deste destacou duas condições fundamentais para a sinodalidade: a capacidade de falar com liberdade e de escutar com humildade.

No quadro da relação entre sinodalidade e conversão pastoral, o conferencista afirmou que a sinodalidade, mais do que um somatório de eventos e estruturas sinodais, é um modo ou um estilo de ser Igreja, não se confundindo, contudo, com a democratização da Igreja, tanto mais que a Igreja funciona por consenso e comunhão. Não esqueceu também a fundamentação bíblica para o exercício da sinodalidade, aludindo ao dinamismo evangelizador presente no evangelho na atenção a todos e a cada um, ao facto de a conversão pastoral supor uma verdadeira conversão pessoal e à necessidade de a Igreja se colocar a caminho com os homens e mulheres de hoje, libertando-se de preconceitos.

Aos elementos fundacionais e fundamentais da sinodalidade, a partir da eclesiologia conciliar, foi também dado espaço na conferência: a igual dignidade de todos os batizados; a corresponsabilidade dos batizados como participação na missão da Igreja no que compete a cada um; a unidade na missão que consiste em tornar presente aqui e agora o evangelho que é o próprio Cristo; o governo pastoral em chave de comunhão; o conselho como parte integrante da decisão e o discernimento como método. A concluir, Sérgio Leal referiu que condição fundamental para que a sinodalidade possa ser uma realidade é crescer na fraternidade e na comunhão e evocou Maria como modelo de sinodalidade e de conversão pastoral, designadamente na sua condição de mulher a caminho.

Terminada a conferência, proporcionaram-se largos de minutos dedicados às perguntas e observações dos participantes e às respostas e comentários que o P. Sérgio Leal entendeu aduzir.

Seguiu-se uma conversa com os diáconos permanentes tendo em consideração a realização dos retiros já programados.

A próxima conferência do ciclo realiza-se a 14 de dezembro, às 21 h. O P. José M. Pacheco Gonçalves e Manuel António Ribeiro abordarão o tema: «Catecumenado: Uma experiência concreta». Em análise estará a tarefa de iniciar adultos à fé, preparando-os para os sacramentos da iniciação cristã, a partir de uma iniciativa de catecumenado que decorre na Vigararia de Vila Nova de Gaia – Norte, dentro da programação da formação permanente para os diáconos permanentes.

 

Diaconado Permanente – Diocese do Porto – Portugal

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.