Diác. Gonzalo Eguía

Coordenador de Servir en las periferias

Bilbao, Espanha

1º de maio de 2018

 

A Igreja está em festa! Celebramos no passado 28 de abril o quinquagésimo aniversário das primeiras ordenações de diáconos permanentes pós Concílio Vaticano II. Naquele dia, na Catedral de Colónia- Alemanha-, recebiam a ordenação diaconal cinco homens, constituindo-se assim nos primeiros cinco diáconos permanentes depois da restauração do ministério diaconal por parte do Concílio. A arquidiocese de Colónia iniciou no passado mês de janeiro um ano jubilar com o motivo desta efeméride.

Desde aqueles cinco primeiros diáconos passou-se atualmente para mais de 45.255 – Anuário Pontifício 2017 e Annuarium Statisticum Ecclesiae 2015-, com um aumento de 14,4% contabilizados nos últimos cinco anos.

Poucos dias antes deste aniversário, a 15 de abril, Dom Manuel da Silva Rodrigues Linda fazia sua entrada solene na diocese do Porto, em Portugal. Nas entrevistas que ofereceu aos meios de comunicação, Dom Manuel dizia que iria chamar sua igreja local a sair ás periferias existenciais para atender de forma personalizada aos mais desfavorecidos, mostrando-lhes a Boa Nova do Senhor ressuscitado. Neste contexto afirmava: “Creio no diaconado. O diácono permanente, nesta fase, segue sendo o parente pobre dos ministérios ordenados”, o prelado afirmava seu desejo de valorizar os diáconos permanentes de sua diocese, não só pela redução do número de sacerdotes, senão” fundamentalmente pela dignidade constitutiva do próprio ministério do diaconado”, concluindo que “buscarei reconduzir a igreja a uma simplicidade tão evangélica que constituia uma referência ética ao mundo atual” (https://www.publico.pt).

Dom Manuel da Silva Rodrigues Linda chega á diocese do Porto depois de ter sido bispo auxiliar da arquidiocese de Braga – com dez diáconos permanentes na atualidade-, e bispo castrense – sem nenhum diácono permanente -. Porto é a diocese mais povoada de Portugal – 2.088.000 habitantes- e a que conta com maior número de diáconos permanentes. Nos últimos dezoito anos os diáconos permanentes dessa diocese passaram de 16 -ano 1999- a 99 -ano 2017-, o que supõe um crescimento de 618%, o número de presbíteros passou de 600 -ano 1999- a 465 -ano 2016-, tendo um decréscimo de 22,5%.

Hão transcorrido cinquenta anos, podemos perguntar-nos que quererá dizer que o ministério diaconal é o “parente pobre dos ministérios ordenados” ?, fará referência a que se trata de um ministério ordenado não suficientemente valorizado ou reconhecido?, terá que ver com as potencialidades deste ministério, ainda não descobertas ou desenvolvidas suficientemente nas igrejas locais e na pastoral de conjunto das mesmas?.

É significativo que, sendo o “parente pobre” entre os ministérios ordenados, o Espírito Santo haja promovido um desenvolvimento notável do mesmo, como mostram os dados estatísticos expostos. Oxalá a resposta se encontre nos ideais franciscanos de “a pobreza e a minoridade”, o diácono S. Francisco de Assis assumiu na sua vida que o fundamental no seguimento do Mestre era enxertar-se numa Igreja pobre e para os pobres, sem buscar mérito ou reconhecimento algum, sem desejo algum de ser “maior” ao estilo deste mundo, simplesmente servir sempre e em todo o lugar. Se assim for, cada diácono pode exclamar na vivência quotidiana de seu ministério: que alegria ser o parente pobre!

O Informativo faz eco da publicação da nova Exortação Apostólica do Papa Francisco “Gaudete et exsultate”, sobre a chamada á santidade no mundo atual. O diácono canadiense Adam Hincks, foi um dos quatro intervenientes que leram com antecedência a Exortação Apostólica e que compartilharam suas impressões.

A partir de Espanha enviam duas notícias relevantes: celebração do quadragésimo aniversário da instauração do diaconado permanente; e as palavras do bispo de León, monsenhor Julián López, no quinto domingo de Páscoa – Jornada Mundial de Oração pelas Vocações e Jornada das Vocações Nativas-, em relação ao ministério diaconal.

Do Brasil recolhemos três notícias significativas: o número atual de diáconos daquele país, que ultrapassa os 4.800 diáconos; a entrevista com o bispo de Tubarão, monsenhor João Francisco Salm, sobre o diácono e a misericórdia; e a nova experiência formativa levada a cabo em Brasília sobre o diácono e a Missão.

Por último, continuamos a publicar a reflexão do diácono italiano Enzo Petrolino sobre “O diácono á luz da Evangelii Gaudium”.

Neste mês de maio, dedicado tradicionalmente a Maria, pedimos que ela nos leve ao Senhor. Neste primeiro dia do mês, pedimos a seu esposo S. José que, em sua condição de padroeiro, continue a velar pela Igreja Universal, de forma especial por todos os homens e mulheres que não vivem por um lado, com dignidade por falta de trabalho, ou por desenvolver um trabalho com condições dignas e justas.

Em nome da Equipe Coordenadora e de Redação, um abraço fraterno.

Gonzalo Eguía

Tradução do original:  Diácono Mário Henrique Pinto

Legenda da foto da capa:

O diácono Wolfgang Speicher, único sobrevivente dos cinco primeiros diáconos permanentes ordenados em Colónia no ano 1968, recebe a saudação do cardeal Woelki.