Diaconado da Diocese do Porto:A Eucaristia faz a Igreja

Diaconado da Diocese do Porto:A Eucaristia faz a Igreja

Prosseguiu por meios telemáticos, na noite de 4 de janeiro, com a 4ª sessão, o ciclo «Levanta-te: Juntos por um caminho novo», organizado pelo Centro de Cultura Católica e pelo Diaconado Permanente da Diocese do Porto, em torno de grande parte das temáticas do Plano Diocesano de Pastoral 2021/2022. Esta sessão, muito participada, como testemunham os 164 dispositivos informáticos ligados, foi dedicada à conferência «A Eucaristia faz a Igreja», proferida pelo Cón. João da Silva Peixoto, diretor do Secretariado Diocesano de Liturgia, pároco de Ermesinde e professor de Liturgia no CCC. A conferência correspondia a uma das linhas programáticas do referido Plano: «educar para a centralidade da Eucaristia, para a qual tendem os outros sacramentos».
O Cón. João Peixoto começou por evocar o teólogo Henri de Lubac, autor do aforisma que inspirou o título da conferência: «A Igreja faz a Eucaristia e a Eucaristia faz a Igreja». Remontando a uma obra do autor de 1944, o referido aforisma difundiu-se sobretudo a partir da publicação em 1952 de «Méditations sur l’église», uma obra de amor à Igreja com significativa influência no II Concílio do Vaticano. Debruça-se sobre o coração da Igreja e este é a Eucaristia. O Concílio viria a assumir muitas das ideias deste teólogo sobre o mistério da Igreja.
A conferência percorreu então um conjunto de textos conciliares que colocam em relação a Igreja e a Eucaristia, designadamente o passo da constituição «Sacrosanctum concilium» n. 46: «a principal manifestação da Igreja faz-se numa participação perfeita e ativa de todo o Povo santo de Deus na mesma celebração litúrgica, especialmente na mesma Eucaristia, numa única oração, ao redor do único altar a que preside o Bispo rodeado pelo presbitério e pelos ministros». Depois do périplo pelos documentos do Concílio sobre o tema com achegas pertinentes, a reflexão evocou a 2ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos de 1885, no 20º aniversário do encerramento do Concílio, que privilegiou o conceito de «communio» como o que melhor exprime o Vaticano II. A reflexão alargou-se sucessivamente a alguns textos do magistério de João Paulo II, designadamente quando em 1980, na carta «Dominicae cenae», cita a referida obra de Henri de Lubac ou quando, já no ocaso do seu pontificado, na encíclica «Ecclesia de Eucharistia», refere que «A Eucaristia edifica a Igreja».

Esta ideia é expressa na epiclese sobre os comungantes das várias anáforas das diferentes tradições litúrgicas. O conferencista evidenciou-o então nas quatro orações eucarísticas principais em uso, não deixando de referir que nelas a separação da epiclese sobre os dons da epiclese sobre os comungantes pode ofuscar a importância da segunda. De facto, a primeira é importante para a consagração dos dons, sublinhando o «como» da Eucaristia, a presença de Cristo nos nossos altares. Mas igualmente importante é a segunda, enquanto explica o “para que” da Eucaristia, a causa final: a reunião dos comungantes no Corpo de Cristo.
O Cón. João Peixoto referiu em seguida que a sua proposta completa para a abordagem do tema passaria sucessivamente por responder, a partir do Missal em vigor, às questões «que Igreja faz a Eucaristia?» e «que Igreja é feita pela Eucaristia?». Na consciência de que esta abordagem não cabia nos limites de uma só conferência, limitou-se a apontar o esquema da referida abordagem e a tratar sumariamente de alguns dos seus aspetos. Em resposta à questão «que Igreja faz a Eucaristia?» aludiu desde logo a uma Igreja assembleia, afirmando que a celebração comunitária é a mais condizente com a natureza pública da Eucaristia e evidenciando a construção da comunidade a partir de elementos concretos que compõem a celebração eucarística.

À apresentação do tema seguiu-se ainda perto de meia hora de diálogo com o conferencista, que foi respondendo às perguntas e comentando as observações dos participantes.

A próxima conferência do ciclo realizar-se-á a 1 de fevereiro, às 21 h. Maria Isabel Oliveira, diretora do Secretariado Diocesano da Educação Cristã abordará o tema: «A catequese em chave evangelizadora e catecumenal».

Diaconado da Diocese do Porto – Portugal

 

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.