Encontro dos candidatos ao Diaconado com o Bispo Diocesano de Campina Grande, PB, Brasil

a ocasião, dom Dulcênio fez memória à Nossa Senhora das Dores, tendo refletido com os candidatos acerca de entregar-se como Maria, serva, discípula, primeiro sacrário de Jesus, sendo ela, um exemplo de diaconia e dedicação à missão confiada ao seu Filho Jesus. Ressaltou ainda, a importância do papel dos diáconos permanentes, lembrando-os da fidelidade à Igreja e, sobretudo, às suas famílias.

Sobre a Formação Diocesana

No presente momento a diocese de Campina Grande conta com duas turmas passando pelo processo formativo, sendo que os 23 candidatos da primeira turma, que iniciou as atividades em 2014, estão engajados nas atividades pastorais paroquiais e diocesanas.

História

Na década de 1960, a diocese campinense teve sua primeira experiência formativa para o diaconado, contudo, foi desativada, sendo reaberta no pastoreio de dom Manuel Delson em 2014, quando esteve à frente da diocese de Campina Grande. Atualmente a Igreja particular de Campina Grande conta com dois diáconos permanentes, Antônio Tributino e Antônio Lisboa, que fizeram suas formações na arquidiocese de João Pessoa e na diocese de Caicó, CE, respectivamente.

Após cumprir as etapas do processo formativo que inclui um período propedêutico e de formação, que envolve as dimensões humano-afetiva; eclesial-comunitária; intelectual (teológica); espiritual e pastoral, os candidatos ao diaconado permanente são convidados a atuarem nos espaços necessários de animação e evangelização dos serviços da Igreja, descobrindo e promovendo lideranças, estimulando a corresponsabilidade de todos para uma cultura de reconciliação e solidariedade, sobretudo nas “periferias existenciais” e nos lugares e situações de maior carência, principalmente nas zonas rurais e afastadas e nas grandes áreas urbanas densamente povoadas, além das pastorais ambientais (hospitais, presídios, escolas, casas de atendimento às pessoas vulneráveis, serviços de atendimento às medidas socioeducativas etc.) que no contexto da atuação pastoral estão espalhadas nas diferentes realidades das oito Foranias que compõe a diocese, sendo elas: Forania Cidade, Forania Brejo, Forania Agreste I e II, Forania Cariri I e II, Forania Curimataú e Forania Sericar.

De modo que os diáconos permanentes chamados a servir a Igreja, tem como desafios contribuir para o processo formativo e acompanhar a formação de novas e antigas comunidades eclesiais, bem como, sejam também apóstolos nas famílias, em seus trabalhos profissionais, em suas comunidades e nas novas fronteiras da missão (Documento de Aparecida, nn. 205 e 208).

Colaboração: Marcelo Alves P. Eufrásio – Candidato ao Diaconado Permanente

Fonte: cnd.org.br

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.