Algo está a acontecer com o diaconado na Igreja Universal

Diác. Gonzalo Eguía

Coordenador de Servir nas periferias

Bilbau, Espanha, 1 de setembro de 2021

 

Algo está a acontecer com o diaconado na Igreja Universal

 

O Informativo deste mês tem um destaque festivo especial, contém vários artigos referentes à celebração da festa de S. Lourenço em diversas igrejas locais, em algumas das quais foi feita coincidir nessa festa ordenações diaconais, dedicando-lhes reflexões e homilias especiais pelos seus bispos.

Mais um ano esta efeméride teve um eco especial na igreja do México, que celebrou a Segunda Jornada de Oração pelo Diaconado Permanente. Não sendo, na maioria dos casos, de uma Jornada, mas uma novena que foi estendida, novamente, de 1 a 10 de agosto.

A igreja que peregrina na Colômbia teve palavras de felicitação e agradecimento aos diáconos, por ocasião da festa de S. Lourenço.

No Brasil o presidente da Comissão Nacional dos diáconos daquele país voltou a dirigir uma mensagem a todos os diáconos daquele país.

Entre todas estas celebrações e palavras destacamos as do Cardeal de Santiago de Chile, Celestino Aós lembrando que “ necessitamos de diáconos que sejam agentes de comunhão, semeadores de esperança”.

De Portugal, nosso colaborador Joaquim Armindo escreve em dois artigos sobre sua visão do diaconado naquele país, por ocasião do documento sobre o diaconado recentemente aprovado e em relação com a realidade eclesial geral.

Sob o título “O rosto de mudança do diaconado num mundo em alteração. Como respondem os diáconos às crises ecológicas, económicas, culturais, sociais e de saúde no mundo atual?”, vai realizar-se a Conferência Internacional de Estudos e a Assembleia Geral do Centro Internacional do diaconado. A Conferência e a Assembleia terão lugar, via online, entre os dias 15 e 18 de setembro. O Informativo recolhe o programa e a forma de inscrever-se, que é gratuita.

A partir de “Servir nas periferias” desejamos agradecer e reconhecer o trabalho que realizou Montserrat Martínez,membro do nosso Informativo e membro da Equipa Diretiva do CID, para poder realizar-se este evento em tempos de coronavirus.

O diaconado apresenta-se na atualidade como um ministério renovado e renovador, nas páginas do Informativo podemos ler notícias de dioceses que começam a aventura do diaconado, neste caso as dioceses de Carolina e Cristalândia no Brasil, ou das que já tendo um tempo da sua restauração ordenam a um número significativo, em Parnaíba- Brasil -dezassete diáconos e em Temuco – no Chile – vinte e três diáconos.

 

Nesta ocasião, novamente, o Informativo apresente uma série de testemunhos pessoais de aspirantes e candidatos ao ministério diaconal, como também de diáconos.

 

Toda esta informação é uma pequena amostra de que algo está a acontecer com o diaconado na igreja ibero-americana e universal.

Se, algo está em mudança, não é uma questão pontual, o número de diáconos ascende imparável em toda a Igreja universal, parece que o Espírito Santo está a falar com sua Igreja, vale como mostra duas referências simples.

Na aplicação do Documento Final do Sínodo da Amazónia, que qualificou a urgência de “promoção, formação e apoio aos diáconos permanentes, pela importância deste ministério na comunidade; de um modo particular, pelo serviço eclesial que requerem muitas comunidades, especialmente os povos indígenas”, a Comissão Episcopal para a Amazónia da Conferência Nacional dos Bispos de Brasil (CNBB), presidida pelo cardeal Claudio Hummes, ressalta a necessidade de criar escolas de formação que preparem “evangelizadores missionários”, explicitando-se a necessária promoção do diaconado permanente, junto aos ministérios laicais.

Como pode ser consultado no Informativo anterior, a Conferência Episcopal Espanhola CEE – nas «Orientações pastorais e linhas de ação para o próximo quadriénio 2021 – 2025», recentemente publicadas, explicita como umas das linhas de trabalho e ações, a de «Consolidar e difundir a vocação do diaconado permanente nas dioceses. Colaborar na sua implementação». Ação muito significativa, se temos em conta que no último Plano Pastoral da CEE para o período 2016 – 2020 a única referência ao diaconado era para convidar aos diáconos, junto a outros agentes pastorais, a um Congresso Nacional de Evangelização, que se realizou no final do Plano.

Há diáconos que afirmam estar acostumados a que seu ministério não está reconhecido dentro de uma pastoral de conjunto, agora sentem-se contrariados quando a partir da Igreja Universal e de igrejas locais apontam o valor do ministério diaconal e a necessidade de promovê-lo, reforçá-lo e acompanhá-lo.

Esta promoção dá-se num momento de crise profunda do Mundo e da Igreja. Poderíamos perguntar-nos porquê está sucedendo isto, certo que teríamos razões das mais diversas, mas talvez seja mais evangélico perguntar-nos o para quê !? para quê está o Espírito Santo promovendo este ministério na Igreja do século XXI ?, olhando-nos no Evangelho e numa Igreja toda ela servidora, possa dar-nos muitas pistas.

 

Tendo em conta estas linhas e tomando como guia a intenção de oração do Papa para o mês de setembro, sobre um estilo de vida eco-sustentável, ao qual nos unimos, podemos orar “para que todos tomemos as decisões corajosas, as decisões necessárias para uma vida mais sóbria e ecologicamente sustentável, mais evangélica e servidora”. Junto ao Senhor nos encontramos.

 

Em nome da Equipa Coordenadora e de Redação, um abraço fraterno.

Gonzalo Eguía

Tradução do original: Diacono Mario Henrique Pinto

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.