Arcebispo pede incremento das vocações diaconais


Dom Orani Tempesta enfatiza riqueza da vida, da missão e do trabalho diaconal

 

Rio de Janeiro, 2 de fevereiro de 2010 (ZENIT)

 

O arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, pede aos padres de sua arquidiocese que se empenhem “para o frutuoso incremento das vocações diaconais”.

 Em artigo difundido no portal da arquidiocese do Rio, Dom Orani considera que a retomada do ministério diaconal, “como uma vocação própria, é uma grande riqueza para nós”. “Tive a oportunidade de poder vivenciar várias experiências ligadas ao diaconato permanente, seja em minha paróquia, seja iniciando a escola diaconal em minha primeira diocese ou então continuando uma caminhada das mais antigas do Brasil, na arquidiocese anterior a que servi”, conta Dom Orani.

 O arcebispo afirma que percebeu “a importância e o valor do diaconato permanente, tanto no campo social como na presença evangelizadora da Igreja nos diversos âmbitos e também nas comunidades. Posso testemunhar, por minhas experiências, a riqueza da vida, da missão e do trabalho diaconal o bem que se faz à Igreja”.

 Dom Orani cita exemplos de algumas dioceses dos EUA: Nova York conta com 377 diáconos, Los Angeles, 261, e Boston possui 257. “Os pastores dessas megalópoles, com todos os seus desafios pastorais e sociais tão grandiosos quanto os nossos, souberam acolher a proposta conciliar e deram passos que hoje marcam o trabalho dessas Igrejas”.

 No Rio de Janeiro, o prelado recorda a presença da Escola Diaco-nal, “onde os candidatos passam quase 5 anos de intensa formação doutrinal, pastoral e sacramental, de acordo com as horas-aula que são exigidas, segundo os documentos que organizam a formação diaconal”. “Com toda esta história e com o trabalho sendo bem desenvolvido, peço a Deus que nos envie muitas vocações para que possamos incrementar ainda mais, com o diaconato permanente, a nossa missão evangelizadora e catequética nesta grande cidade”, afirma o arcebispo. Dom Orani confi a “principalmente aos párocos o discernimento vocacional para que, consultadas as comunidades e os conselhos paroquiais,

indiquem candidatos para serem encaminhados nessa direção”.

 “Os párocos devem perceber em suas comunidades aqueles homens capazes de assumir essa caminhada vocacional, e também estar abertos para as vocações que lhe chegam espontaneamente ou indicadas por pessoas conhecidas que querem o bem da Igreja.” “A própria comunidade paroquial é fonte de vocações desses homens que estão dispostos a uma doação mais radical e profunda pela causa do Evangelho”, afirma.

 O arcebispo reafirma que estará “sempre empenhado, seguindo a linha de ação pastoral de meus predecessores, no desenvolvimento da vida diaconal em nossa Arquidiocese, com tanto vigor quanto tenho pelas vocações sacerdotais e religiosas”.

Dejar un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Las siguientes reglas del RGPD deben leerse y aceptarse:
Este formulario recopila tu nombre, correo electrónico y e contenido para que podamos realizar un seguimiento de los comentarios dejados en la web. Para más información revisa nuestra política de privacidad, donde encontrarás más información sobre dónde, cómo y por qué almacenamos tus datos. Si das tu consentimiento entendemos que estas de acuerdo con nuestra política de protección de datos.