Ministério «é um bem para a Igreja» disse D. José Cordeiro

  A Diocese de Bragança-Miranda tem cinco novos diáconos permanentes, ordenados este domingo por D. José Cordeiro durante uma celebração na Catedral local, que encerrou também um ano litúrgico-pastoral dedicado a Maria.

Na sua homilia, enviada hoje à Agência ECCLESIA, o bispo de Bragança-Miranda sublinhou a importância do diaconado permanente enquanto “serviço” às comunidades cristãs e à Igreja e reforçou a aposta da diocese neste ministério.

“A restauração do diaconado como condição permanente de vida, conferido também a homens casados, é um bem para a Igreja, tanto para os presbíteros que voltam a ser verdadeiramente aqueles que presidem à comunidade, como para toda a comunidade que vê realizar-se ao seu serviço, os diversos graus do ministério”, salientou.

D. José Cordeiro exortou ainda os cinco novos diáconos permanentes a serem “colaboradores leais do bispo e do presbitério” e a empenharem-se no apoio aos sacerdotes e suas comunidades.

“Sede servidores da proximidade, gratuidade e esperança; sede felizes ministros dos mistérios de Jesus Cristo”, desafiou.

Os novos diáconos permanentes têm entre 48 e 71 anos e são provenientes de diferentes unidades pastorais da Diocese de Bragança-Miranda.

Joaquim Queirós é professor do ensino secundário, em Fisico-Química; José Fernandes é aposentado da PSP e Amílcar Píres concluiu também o seu contributo ativo na administração pública, tendo sido também presidente de uma junta de freguesia.

José António Fonseca conta com um percurso na carreira militar, como sargento ajudante do Exército Português, e foi também bombeiro voluntário durante 16 anos.

O mais velho do grupo, Henrique Fernandes, está na reforma depois de uma vida ao serviço do setor bancário.

Todos têm também um histórico de colaboração nas respetivas paróquias, onde cresceu a vocação que agora assumiram com a ordenação para o ministerio do diaconado permanente.

A Diocese de Bragança-Miranda passa a contar, desde este domingo, com a colaboração de 11 diáconos permanentes, “10 homens casados e um celibatário”.

O ministério do diácono permanente, na Igreja Católica, está particularmente destinado às atividades caritativas, a anunciar a Bíblia e a exercer funções litúrgicas, bem como assistir o bispo e o padre nas missas, administrar o Batismo, presidir a casamentos e exéquias, entre outras funções.

No caso dos candidatos ao diaconado permanente, esta é uma missão para toda a vida, a que podem aceder homens, incluindo os casados, com mais de 35 anos.

JCP

Tomado de: ecclesia.pt